Contato Vip


A Revista Contato VIP circula desde 1993 na região norte do Rio Grande do Sul, sediada em Carazinho. Em 2014 foi iniciado um projeto expansão, e hoje a revista circula também em Passo Fundo, Marau e demais cidades da região norte do Estado. Há mais de 25 anos mostrando o lado bom da vida!

Matérias do autor


4 de agosto de 2015

Projeto Sonora Brasil em Carazinho


No dia 10 de agosto, o Projeto Sonora Brasil Sesc traz a Carazinho o espetáculo “Violas Singulares”, com Sidnei Duarte, do Mato Grosso; Rodolfo Vidal, de São Paulo; e Mauricio Ribeiro, do Tocantins. A apresentação ocorrerá no Auditório do Colégio Aparecida, a partir das 20h, e tem entrada franca. A atividade irá circular pelo Rio Grande do Sul durante o ano todo.

As violas singulares são aquelas que não foram difundidas além de suas regiões de origem, permanecendo sempre ligadas a gêneros musicais bastante regionalizados, como o fandango do Norte do Paraná e Sul de São Paulo, o cururu e o siriri do estado do Mato Grosso e os ritmos tradicionais do cerrado. O músico e professor Sidnei Duarte, mineiro de Uberaba, radicado em Cuiabá, representa o estado do Mato Grosso e apresenta a viola-de-cocho, instrumento em que é especialista tanto no sentido técnico quanto no teórico, sobre o qual desenvolveu importantes pesquisas acadêmicas.

Rodolfo Vidal apresenta a tradição da viola fandangueira ou caiçara, com a qual convive desde sua infância em Cananeia (SP) e suas próprias criações musicais para o instrumento. Maurício Ribeiro, do povoado de Mumbuca, cidade de Mateiros (TO), apresenta a viola-de-buriti, instrumento pouco conhecido fora do estado do Tocantins que tem sonoridade e características físicas bastante peculiares. A primeira viola-de-buriti foi criada e projetada por seu avô, Antônio Biato.

Mais informações no Sesc Carazinho (Av. Flores da Cunha, 1975), pelo telefone (54) 3331.2451.

Sobre o Sonora Brasil – Promovido pelo Sesc, o projeto é considerado o maior do País em circulação musical e, até o fim do ano, promoverá 480 concertos em mais de 130 cidades brasileiras. O Sonora Brasil cumpre a missão de difundir o trabalho de artistas que se dedicam à construção de uma obra não comercial. A formação de plateia é o que se busca por meio do contato do público com a qualidade e a diversidade da música, estimulando o olhar crítico sobre a produção e os mecanismos de difusão da música no país. Todas as apresentações são essencialmente acústicas, valorizando qualidade sonora das obras e de seus intérpretes. Desde a sua primeira edição, em 1998, já passaram pelo projeto cerca de 80 grupos em mais de 3.900 apresentações por todo o País, alcançando um público superior a 520 mil espectadores. No Rio Grande do Sul, as atividades do Sonora Brasil integram a agenda do Arte Sesc – Cultura por toda parte.



Veja também