Contato Vip


A Revista Contato VIP circula desde 1993 na região norte do Rio Grande do Sul, sediada em Carazinho. Em 2014 foi iniciado um projeto expansão, e hoje a revista circula também na região Noroeste e em Passo Fundo. 24 anos mostrando o lado bom da vida aos nossos leitores!

Matérias do autor


29 de março de 2019

Jantar marca o encerramento das atividades do MOFECOM em Carazinho


O Movimento Feminino Comunitário de Carazinho – MOFECOM nasceu no ano de 1981. Idealizado pela advogada Recília Weise, o movimento contou o trabalho de inúmeras mulheres ao longo dos anos, que, voluntariamente, atuavam para defender e amparar outras mulheres vítimas de violência doméstica. Na época em que o Movimento nasceu, não existia a Lei Maria da Penha e nenhum órgão público especializado para defender e orientar mulheres vítimas de violência, e assim, o MOFECOM fazia o que fosse preciso para ajudar. A trajetória do Movimento, porém, foi marcada por muita luta, principalmente nos últimos anos, com a falta de um lugar adequado e recursos para manter os trabalhos.
Os tempos mudaram e hoje, felizmente, as mulheres vítimas de violência doméstica podem contar com o apoio da Delegacia da Mulher, das Defensorias Públicas e ter o amparo da Lei Maria da Penha. Como o MOFECOM vinha encontrando muitas dificuldades para manter o seu trabalho, as atuais componentes decidiram encerrar as atividades, comemorando os mais de 30 anos de trabalho em um jantar, realizado na noite desta quinta-feira, 28 de março, nas dependências da Carla Link Eventos. Durante a noite, a trajetória do MOFECOM foi relembrada e os presentes puderam ouvir os relatos de algumas das integrantes do Movimento. Recília recebeu um presente em homenagem a toda a sua dedicação durante os anos. Mas, generosa como sempre foi, quis passar o seu presente adiante e o entregou a Maria de Lurdes Gobbi, uma das voluntárias mais atuantes do MOFECOM.
Mesmo com o fim das atividades, ainda fica o desejo de Recília de dar continuidade ao legado do MOFECOM, pois, por mais que hoje as mulheres tenham o amparo da lei e dos órgãos públicos, os casos de violência contra a mulher continuam a acontecer todos os dias. Recília e todas as mulheres que fizeram parte do MOFECOM querem continuar a transmitir a mais e mais mulheres a mensagem de que a mulher não deve andar atrás do homem, mas sim ao seu lado.



Veja também